Translate

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Debruçada na Janela



 
Era uma pequena cidade do interior, daquelas que tinha somente uma rua com calçamento e as demais de terra batida. Ali funcionava o comércio, o correio e o ponto do ônibus que circulava uma vez por semana para a cidade grande.


Essa rua desembocava em uma pracinha defronte a igreja, onde havia um casarão pertencente a um comerciante cuja filha era muito bonita e por isso não a deixava sair de casa, ficava na janela assistindo a tudo o que se passava.


Mantinha esse mirante sempre enfeitado na esperança de que algum rapaz viesse cortejá-la.
 

Um pouco antes de o dia clarear, a mocinha já estava toda arrumada, regando as flores que ficavam na soleira e ali recebia cumprimentos e cordiais saudações dos moradores que iam e vinham.


Nesse mundo que lhe foi imposto, viu toda sua vida passar e foi escrevendo as suas ansiedades e aspirações em uma caderneta, que foi encontrada entre seus pertences, depois que partiu para outra dimensão.

  O POEMA DE UMA VIDA SOLITÁRIA
A menina debruçou na janela...

Com a ajuda da cadeira da sala.

Viu o mundo desfilar!

Brincou de boneca papai e mamãe.


A menina-moça debruçou na janela...

Viu o mundo girar.

Aquarela colorida!

Vestiu o primeiro “soutien”, sentiu-se mulher.


A mocinha debruçou na janela...

Viu os sonhos dos adolescentes.

Quinze anos...


Primeiro baile, um beijo na face!

Voou pelas alturas!
 

Dançou a valsa do Imperador!

Percorreu os bosques de Viena!

Navegou no Danúbio Azul!



A jovem debruçou na janela...

Viu o primeiro amor.

Desfraldou o seu segredo.

Um fruto do príncipe encantado!
 

A mulher debruçou na janela...

Viu a juventude ficar no passado.

Um filho habitou o seu mundo.

As fantasias terminaram, sentiu-se uma plebéia.


A senhora debruçou na janela...

Viu o mundo desabar.

Conversou com Jesus.

Confortou-se na religião.
 

Da cadeira de balanço da sala de estar.

Repassou toda sua vida.

Viu a janela se fechar.

Serraram-se as cortinas.

E a sua luz se apagou.

Acesse http://www.sergrasan.com/toninhovendraminislides/ e poderá ver em formato PPS, com fundo musical.
 

OS CAMINHOS QUE NOS LEVARAM AO COLISEU

“Começava ali uma verdadeira odisseia nos trilhos daquele Metrô”. Uma expectativa se fazia presente naquela manhã, a alegria era co...