segunda-feira, 27 de julho de 2015

O SOM DOS ANOS DOURADOS


Repassando algumas fotos e recortes de jornais, armazenados em uma caixa de papelão no meu armário de guardados, pude trazer, para o presente, algumas lembranças que estavam esquecidas nas paredes da memória.

Comecei a imaginar aqueles belos tempos, contemplando registros de uma época que muitas pessoas rotularam como “anos dourados”, da qual eu e muita gente da minha roda de amigos fazíamos parte.

Um recorte chamou mais atenção, pois trazia minha fotografia, tocando bateria na orquestra animadora das domingueiras matinais que funcionavam no Clube Grêmio dos Ferroviários. O início ocorria logo após a missa das nove horas, da tradicional igreja da Matriz.

A garotada que não ia ao cine Ypiranga assistir aos desenhos do Tom e Jerry corria para o Grêmio na rua logo abaixo da praça central para dançar o tal de rock, ritmo delirante daqueles tempos. A sensação era as músicas do Elvis Presley, astro americano que esbanjava categoria, e que eram tocadas nas rádios incessantemente; e nós, da orquestra, reproduzíamos loucamente, nessas domingueiras.

O nosso “Elvis” era o Ted Milton que tinha uma voz forte e parecida com a do famoso cantor. Ele estufava o peito e soltava a garganta e se requebrava todo nas músicas; Tutti Frutti, Blue Sued Shoes e, depois, as mais amenas, como Love Me Tender e Always On My Mind.

Depois de algum tempo, as domingueiras foram interrompidas, porque alguns membros da orquestra, que tocavam em baile do sábado, chegavam muito cansados. Eu, que só podia atuar aos domingos, gostava muito. Foi uma tristeza o fim daquilo tudo, porque já tinha virado um acontecimento regional, com pessoas vindas de vários lugares, para brincar e dançar o ritmo frenético.

Com isso veio a ideia de formar um conjunto musical que virou um trio, para tocar nas chamadas “brincadeiras dançantes”, copiadas dos filmes americanos. A primeira foi na casa de uma garota de quem nem me lembro mais do nome; fomos chamados pelos pais para saber o que era “aquilo”. E, depois de muita conversa, foi autorizada.

O local (uma grande garagem) era o ideal, porque havia por lá um piano, condição principal para juntar o acompanhamento (bateria e saxofone).

O trio não tinha nome, mas íamos sempre de camisa vermelha, calça e sapatos pretos. Dos componentes, eu era conhecido por Tony Vendra, cujo nome ficava estampado no surdo de pedal da bateria, comprado por meus pais, de tanto insistir para ter aquela parafernália maluca dentro de casa. Os outros dois, o Joel das “Candongas” ao piano e Joãozinho “Boa-Pinta” ao saxofone.

No dia marcado para “as dançantes”, meu pai pacientemente transportava em seu Ford os apetrechos da “batera” no porta-malas, que parecia uma “barca” de tão grande.

Já nessa época, imperavam as canções Italianas e as músicas eram as menos barulhentas, condição “imposta” pelos pais da moça; então, ficávamos nas músicas lentas, próprias para as danças de rosto colado, com muita “conversa fiada” ao pé do ouvido das meninas.

Na abertura, tinha uma música muito especial intitulada “Non Ho L’età” (“Não tenho idade”) cantada por uma menina do grupo, imitando a Gigliola Cinquetti, que, em seu conteúdo, falava que a garota ainda não tinha idade para namorar; e isso agradava os pais das meninas.

Começamos a ficar famosos, porque até os nossos professores mais jovens vinham assistir e também dançar. Na segunda-feira, na escola, era um falatório geral; ficávamos rodeados de meninas que vinham conversar sobre o que iríamos tocar nas próximas.

Em outras ocasiões, lá pelo meio da festa, era servido pela mãe da moça, para os mais grandinhos, o tal de “ponche”, uma bebidinha meio sem graça; então, “do nada”, aparecia uma garrafa de vodka com o conteúdo despejado na vasilha que continha a bebida (sem que ninguém percebesse).

Aquela bebida “ia para as cabeças” e muita gente começava a ficar alegre; muitas “declarações” eram faladas ao som do nosso trio. Desse momento, surgiu à idéia de, nos intervalos, fazer declamação de poemas e poesias, o que as meninas faziam com magistral postura poética.

No final, tinha muita gente que vinha de outros lugares; então, metade da turma ia para a rua e ficava dançando por lá, com muitos vizinhos gostando, e outros nem tanto, daquele movimento alegre e jovial. Havia “alguns” que “melavam o pé” e caíam no jardim da casa, depositando, nos vasos de flores, as comidas e bebidas sorvidas durante a festa.

Num desses eventos, fui convidado para me apresentar na rádio Difusora, aos sábados pela manhã, em um programa que tocava músicas a pedido de ouvintes, através de carta ou telefonema. Eu deveria atender aos telefonemas (tudo previamente combinado) e dizer que a música escolhida seria complementada com alguns versinhos (selecionados em conjunto com o programador), baseados naqueles feitos por mim e declamados pelas mocinhas, nas brincadeiras dançantes.

Eu topei logo de cara sabendo que a minha recompensa era receber entradas para os cinemas, oferecidas pelos cines Ypiranga e Marabá.

Antes de o programa ir para o ar, eu conversava com o locutor e programador para colocar somente músicas Italianas, que era a “coqueluche” do momento, com cantores maravilhosos da época, destacando alguns:


  • John Foster – Amore Scusami;
  • Lorella Vital – Se Non Avessi Piu Te;
  • Pino Donaggio – L’ultimo Romântico;
  • Sérgio Endrigo – Canzone Per Te.
  • Peppino Di Capri – Roberta;
  • Luigi Tenco – Ho Capito Che Ti Amo.
  • Domenico Modugno - Legata A Um Granello Di Sabbia, Piove e, Tu Si’Na Cosa Grande (Letra abaixo):
Canta Modugno:

Tu si’’na cosa grande per me. – Você é uma coisa grande para mim.
‘Na cosa Ca mi fà’nnamurà. – Uma coisa que me deixa apaixonado.
‘Na cosa Che si tu guarda a me. – Uma coisa que você olha para mim.
Me ne moro accussì guardanno a te. – Posso até morrer, assim, só olhando para você.
Vurria sapé na cosa da te. – Queria saber uma coisa de você.
Percchè cuanno te guardo accussì. – Se quando te olho assim.
Si pure tu te siente morì. – Você também se sente morrer.
Nom me o dice a num me fai capi. – Por que então não fala para mim?
Ma percchè. – Por quê?

Esse foi o grande Modugno que eu apreciava tanto, com belíssimas composições e um magnífico cantor. Chegou a vir ao Brasil onde se apresentou em São Paulo e Rio com grande sucesso. Todas essas músicas e astros marcaram o fim dos anos 50 e início dos 60, cuja época vivi, com muita alegria, sentindo, agora, uma saudade imensa dos Anni Moderni.





ANOS DOURADOS DE UMA ÉPOCA VIVIDA

ANOS DOURADOS  DE UMA ÉPOCA VIVIDA Repassando algumas fotos e recortes de jornais, armazenados em uma caixa de papelão no meu...